Este meu Blog centra-se principalmente na cozinha tradicional portuguesa. Com maior destaque para a fascinante cozinha regional Alentejana, citando nomeadamente as suas tradições, origens, costumes e história. Pretendo também inovar e alterar/enriquecer à minha maneira algumas das receitas tradicionais, oferecendo-lhes um ar mais moderno e inovador mas sempre mantendo os ingredientes tradicionais da região.

Curiosidades Gastronómicas do Alentejo

 

 

História do Peru Perfumado    

     Na década de cinquenta, uma poderosa família de agricultores do Alentejo casou uma das suas filhas. O casamento celebrou-se na herdade com assento de lavoura, mas o serviço de banquete foi efectuado por um estabelecimento hoteleiro de Lisboa de máxima categoria. Tudo foi feito no hotel e transportado para o Alentejo. Era Verão, as condições de acondicionamento e de transporte tinham as limitações da época e à chegada o categorizado cozinheiro que tinha oficiado para o esplendoroso «copo-de-água» verificou que os perus já exaltavam um cheiro pouco recomendável. Sem qualquer explicação pediu que lhe trouxessem um frasco de perfume. Não consigo imaginar que explicações teria dado para tão bizarro pedido, mas trouxeram-lhe o frasco de perfume e, discretamente borrifou generosamente os perus com o perfume. No fim do banquete, ao qual tinham assistido figuras politicamente importantes da época, uma delas, reconhecia como excelente «goumet», quis cumprimentar o cozinheiro e disse-lhe que nunca tinha comido perus cozinhados com tanta sofisticação, de tal forma estavam ricos de paladar que até parecia terem sido perfumados!



Os Excessos de Mesa Dos Conventos



      Os excessos de mesa, que em alguns conventos atingiram proporções inacreditáveis, foram objeto de repreensões e frequentes chamadas de atenção. Houve um ano em que o Bispo de Évora, que obrigatoriamente tinha de assinar as contas anuais do Convento de Santa Clara, não o quis fazer porque estava mencionada uma verba de trezentos mil réis gasta pelas freiras na confeção, só de doces, no dia da festa da padroeira.
     Várias cartas de Provinciais chamavam a atenção para os exorbitantes gastos que nesse Mosteiro se fazem, com jantares e ceias, contra a pobreza religiosa que se há-de professar.